28 de janeiro de 2011

Virtude: as visões aristotélica e cristã

N. T. Wright

A tradição do pensamento moral que remonta a Aristóteles foi bem desenvolvida no mundo antigo.

Aristóteles desenvolveu o padrão tripartite de transformação de caráter. A primeira parte é o "objetivo", o telos, a última coisa que estamos visando, há então os passos a tomar para alcançar esse objetivo, os "pontos fortes" do personagem que irá permitir-lhe chegar a esse objetivo, e há o processo de formação moral pelo qual essas "forças" se transformar em hábitos, tornando-se uma segunda natureza.

Para Aristóteles, o objetivo era o ideal de um ser humano em pleno florescimento. Pense em alguém que viveu até seu potencial, mostrando um acabado, sábio, e bem formado caráter completo. Este objetivo, nomeadamente, para os quais Aristóteles usou o termo eudaimonia, às vezes é chamado de "felicidade", mas Aristóteles quis dizer em um sentido técnico que está mais próximo da nossa idéia de "prosperidade".

Os passos em direção a esse objetivo, para Aristóteles e seus seguidores, eram os pontos fortes de caráter que, quando desenvolvidos, contribuiriam para a realização gradual de um florescimento humano. O caminho para atingir a eudaimonia, Aristóteles pensava, era praticar estes pontos fortes, assim como um jogador de futebol passa por um treinamento para todos os diferentes músculos do corpo e todas as habilidades práticas de várias esferas que serão necessários. 

A palavra de Aristóteles para uma tal força foi arete, para a qual os escritores latinos usaram a palavra virtus, da qual, naturalmente, derivamos a "virtude". As "virtudes" são os diverso pontos fortes do caráter que, juntos, contribuem para alguém se tornar humano plenamente desenvolvido.

(...)

Aristóteles vislumbra um objetivo de florescimento humano, assim como Jesus, Paulo e o restante. Mas a visão de Jesus do objetivo era maior e mais rica, tomando todo o mundo, e colocando os seres humanos não como indivíduos solitários a desenvolver seu próprio status moral, mas como cidadãos contentes do reino vindouro de Deus. 

Aristóteles viu que para chegar ao objetivo de uma vida um ser humano verdadeiramente deveria desenvolver as forças morais que chamou virtudes. Jesus e seus primeiros seguidores, Paul não menos, disse algo semelhante. Mas a sua visão das forças morais, correspondendo a suas diferentes visões do objetivo, destacou qualidades que Aristóteles não considerou como as mais elevadas (amor, perdão, bondade, e assim por diante) e incluiu pelo menos uma - a humildade - para a qual o mundo pagão antigo (e para tal efeito o mundo pagão moderno) não tinha nenhuma utilidade.

Aristóteles viu que o objetivo maior era tornar o tipo de caráter que seria capaz de agir da maneira correta automaticamente, pela força da formação contínua do hábito. Jesus e Paulo concordaram, mas eles propuseram uma maneira muito diferente, através da qual os hábitos relevantes deveriam ser aprendidos e praticados. Vamos explorar tudo isso à medida que o livro avança.

Acho que se tivéssemos perguntado a São Paulo o que pensava Aristóteles e seu esquema das virtudes, ele teria dito a seu respeito mais ou menos o que ele disse sobre a lei judaica: é bom até certo ponto e, no limite em que vai, mas não pode realmente dar o que promete. É como uma placa de sinalização apontando mais menos a direção certa (embora ela precise de algum ajuste), mas sem uma estrada que vai realmente até lá.

N. T. Wright, After You Believe, p. 33-36