27 de maio de 2009

Metodistas Salvam Almas nos Subterrâneos



No bairro da Liberdade, uma porta aberta para dentro de um viaduto se transformou numa saída, numa chance para quem não tem mais nada.

O Jornal Nacional está apresentando, nesta semana, uma série de reportagens sobre o trabalho social de igrejas evangélicas que atuam no Brasil.

Missionários traduzem a Bíblia para índios no MS

Série Os Evangélicos

Alister McGrath - Fé e Ciência



Alister McGrath é professor de teologia histórica na Universidade Oxford e doutor em biofísica molecular e teologia também por Oxford. É autor de, entre outros, O Delírio de Dawkins (Mundo Cristão) e presidente do Centro Oxford para Apologética Cristã.


25 de maio de 2009

N.T. Wright - Vida Após Vida Após a Morte



Paulo e João, o próprio Jesus e todos os grandes mestres cristãos dos dois primeiros séculos declararam sua crença na ressurreição. "Ressurreição" não significa "ir para o céu quando você morrer". Não se trata de "vida após a morte", mas de "vida após vida após a morte". Ao morrer, partimos para estar "com Cristo" ("vida após a morte"), mas nosso corpo permanece morto. É difícil descrever onde estamos e o que somos nesse ínterim, e a maior parte dos autores do Novo Testamento não tenta explicar. Podemos chamar de "céu" se quisermos, mas não significa que este seja o fim de todas as coisas. Aquilo que é prometido após esse ínterim é uma nova vida corpórea no novo mundo de Deus (vida após vida após a morte).
N. T. Wright, Simplesmente Cristão, Ultimato, pp. 230-231.

Autor de Simplesmente Cristão e O Mal e a Justiça de Deus, N.T. Wright é um dos mais conhecidos e respeitados estudiosos do Novo Testamento da atualidade. Bispo Anglicano de Durham, na Inglaterra, foi professor das universidades de Cambridge e Oxford por vinte anos e é professor visitante de universidades como Harvard Divinity School, nos Estados Unidos, Universidade Hebraica de Jerusalém e Universidade Gregoriana em Roma, entre outras. É autor de mais de quarenta livros e articulista de jornais como The Times, The Independent e The Guardian.

Ver "Surpreendido pela Alegria", a ser lançado pela Editora Ultimato.

22 de maio de 2009

"A Cabana" precisa de N. T. Wright

Ronald Sider

Depois que comecei a ler o fantástico livro de William Young, “A Cabana”, não consegui mais parar. Felizmente, estava de férias em Maine, então tudo o mais poderia esperar até que eu chegasse à última página. Esse livro merece um lugar no topo da lista de “best-sellers” do “The New York Times”.

“A Cabana” oferece uma vívida descrição da Trindade, da surpreendente misericórdia e do perdão divinos e do convite insistente de Deus, que respeita a liberdade humana. Por várias vezes, Young pontua questões importantes: Deus é profundamente pessoal, mas não é homem nem mulher; Deus deseja curar nossas feridas mais profundas, mas não nos coage ao arrependimento; no centro da fé cristã está a maravilhosa intimidade de um relacionamento vivo e pessoal com o Criador do universo, que se deleita com nossa amizade mais do que podemos imaginar.

Certamente milhares de não-cristãos pegarão esse livro de título estranho e serão surpreendidos ao descobrir a atrativa figura de um Deus encantador e amoroso.

Porém, há um problema. Ao ler “A Cabana”, ninguém perceberia que o evangelho de Jesus são as boas novas do reino de Deus. A ilustração do evangelho e da fé cristã apresentada na obra é o clássico individualismo evangélico em sua melhor forma. O evangelho é o perdão dos pecados, a cura pessoal, os relacionamentos pessoais transformados e um relacionamento íntimo e pessoal com o Criador das galáxias.

Tudo isso é, de fato, maravilhoso. Se o evangelho se resumisse a isso, eu já ficaria perplexo com o esplendor do dom de Deus oferecido a nós. Contudo, de acordo com Jesus, o evangelho é tudo isso e muito mais.

Praticamente todos os estudiosos do Novo Testamento concordam que o evangelho que Jesus pregou eram as boas novas do reino. E ninguém explica isso de maneira mais clara e poderosa do que N. T. Wright.2 Jesus afirma ser o tão esperado Messias que surge nos tempos messiânicos, quando, conforme predisseram os profetas, Deus não apenas perdoaria nossos pecados, mas também começaria a transformar toda a criação decadente, a restaurar os relacionamentos entre Deus, o próximo, a terra e nós mesmos.

No cotidiano da igreja primitiva, podemos ver como a nova comunidade messiânica refletia a transformação das relações econômicas, sociais e étnicas. Na verdade, o pecado não foi totalmente derrotado nem mesmo na igreja. Porém, a ressurreição provou que a transformação definitiva de todas as coisas já havia começado quando Cristo voltou para concluir sua vitória sobre o mal.

O livro “Surpreendido pela Esperança”,3 de N. T. Wright, que também li nas férias, apresenta essas questões de uma forma simplesmente primorosa. Ele mostra como nosso destino final é viver com nossos corpos ressurretos em uma terra transformada (Rm 8.19ss) na presença do Deus vivo. Até mesmo a criação que geme será restaurada por completo. Até mesmo a glória das nações, o melhor da civilização humana, será livre desse mal e introduzida ao reino (Ap 21.24–22.2).

Wright nos ajuda a entender como Platão e o individualismo ocidental nos levaram a reduzir o evangelho de Jesus à salvação pessoal de almas individuais. A ênfase de Platão na alma (temos uma alma boa presa em um corpo mau) levou muitos cristãos a priorizar quase exclusivamente a salvação das almas individuais para que elas pudessem ir para o céu. Se o evangelho de Jesus for apenas isso, então é inútil cuidar da criação e trabalhar por justiça. Porém, se o evangelho de Jesus são as boas novas do reino onde tudo -- não somente nossas almas -- está sendo restaurado por completo, se o reino já começou e será consumado quando Cristo retornar para nos dar corpos ressuretos que celebrem e exultem numa boa terra, então nosso trabalho por justiça, paz e um meio ambiente restaurado é parte do plano completo de Deus.

Espero que o autor de “A Cabana” leia “Surpreendido pela Esperança”, de N. T. Wright. Ao fazê-lo, ele verá que tudo o que descreve de forma tão maravilhosa e vívida é bom e verdadeiro -- mas pertence a um contexto mais amplo. (Na verdade, em algumas ocasiões, ele modificará algumas coisas, como a sugestão de que Deus está interessado apenas em relacionamentos, não em instituições.) O Deus pessoal que ele descreve de forma tão bela está empenhado em restaurar não apenas os relacionamentos pessoais, mas também as estruturas sociais decaídas e até mesmo a criação devastada.

Talvez William Young entenda isso. Sua descrição da Trindade se deleitando na boa terra certamente mostra que ele não é um platonista. Porém, em “A Cabana” não há sugestão alguma de que o evangelho afeta as estruturas sociais, da mesma forma como afeta os relacionamentos pessoais. Espero que Young escreva mais narrativas que reflitam a totalidade do evangelho.

Se você ainda não leu esses dois excelentes livros, faça-o imediatamente. No entanto, à medida que você descobrir na fascinante descrição de Young como Deus se deleita em um relacionamento pessoal com você e comigo, lembre-se de que essa verdade gloriosa pertence a um contexto mais amplo no plano de Deus de fazer todas as coisas novas.

Notas
1. Texto enviado pelo autor. Publicado na revista “Prism” (edição de novembro/dezembro de 2008).
2. Autor de Simplesmente Cristão e O Mal e a Justiça de Deus, ambos pela Editora Ultimato.
3. A ser publicado no Brasil ainda este ano pela Editora Ultimato.


• Ronald Sider é editor da revista “Prism” e presidente da organização americana Evangélicos pela Ação Social. É autor de, entre outros, O Escândalo do Comportamento Evangélico (Editora Ultimato) e “Cristãos Ricos em Tempo de Fome”.

Fonte: Ultimato

18 de maio de 2009

O Que É Aquilo?



Uma parábola sobre o arrependimento?

Pai, Feliz Aniversário!

16 de maio de 2009

Primeiros Passos



Hoje consegui legendar o primeiro vídeo através do CaptionTube.
A tradução do vídeo foi feita há algum tempo pelo Seloti.
Soli Deo Gloria!

Magnificar: Como um Telescópio


Magnificar tem dois sentidos distintos. Em relação à Deus, um é adoração e um é maldade. Pode-se magnificar, aumentar como um telescópio ou um microscópio. Quando você aumenta como um microscópio, você faz uma coisa minúscula parecer maior do que é. Uma partícula de pó pode parecer um monstro. Fingir aumentar Deus assim é iniqüidade. Mas quando você magnifica, amplia como um telescópio, você faz uma coisa inimaginavelmente grande parecer o que na verdade é. Como Telescópio Espacial Hubble [e seus sucessores], galáxias que são pontinhos de luz no céu se revelam como os gigantes de bilhões de estrelas que são realmente. Magnificar a Deus desse modo é adoração


John Piper, Não Jogue sua Vida Fora, Ed. Cultura Cristã, pp. 28-29


14 de maio de 2009

Há vitória após o fracasso!



+ A maldição da culpa, John Piper

“Não te alegres a meu respeito; ainda que eu tenha caído, levantar-me-ei (...) Sofrerei a ira do Senhor, porque pequei contra ele, até que julgue a minha causa e execute o meu direito”.
Miquéias 7.8-9

13 de maio de 2009

Evangelizando os Filhos

Se você é cristão, não precisa ter tido uma experiência com drogas ou alguma conversão fenomenal para que a cruz lhe seja inestimável.

Independentemente de nosso passado, todos pecamos e fomos destituídos da glória de Deus (v. Romanos 3.23). A vida de meu filho Chad, de 9 anos de idade, é muito diferente da minha. Foi criado num lar cristão. Aprendeu com a Palavra de Deus. E, ao contrário de seu pai, está cercado por pessoas, numa igreja local, que respeitam a santidade e a humildade, fugindo do mundanismo e do orgulho.

Quando, porém, ele se aproximar da vida adulta, a coisa mais importante que eu poderei ensinar a ele é que, embora tenha sido criado numa família cristã e esteja levando uma vida pautada pela moral, é um pecador que precisa desesperadamente da morte substitutica de Cristo para ser perdoado por Deus.

Por isso lhe ensino o evangelho, dia após dia. Digo a ele que é pecador, assim como papai, e que o pecado é um problema grave. Digo tudo isso numa linguagem que sua mente tenra possa compreender, mas não desconsidero nem atenuo para ele a gravidade do pecado. Por meio de atos e posturas, ele se rebelou contra seu Criador. E este grande Deus é perfeitamente santo, nada podendo fazer senão reagir e opor-se ferozmente ao pecado. O pecado precisa ser punido.

Talvez alguém se surpreenda com o fato de eu ensinar a um menino de nove anos a ira de Deus contra o pecado. No entanto, eu mesmo acho surpreendente que qualquer pessoa amorosa oculte essa verdade daquele a quem ama. Somente quando compreendemos a ira de Deus contra o pecado é que podemos perceber nossa necessidade de ser salvos dessa condição. Somente quando ouvimos as péssimas notícias de que merecemos punição é que valorizamos as maravilhosas notícias de que Deus providenciou salvação por meio de seu Filho.

Então apresento a meu jovem filho a esperança de sua vida: Jesus, Filho perfeito e justo de Deus, que morreu no lugar dele, pelos pecados dele. Jesus levou sobre si toda a pena; recebeu toda a ira ao ser pendurado na cruz, para que pessoas como Chad e seu papai pecador pudessem ser plenamente perdoados.


C.J MAHANEY, O segredo da vida ao pé cruz, Editora Vida, pp. 16-18

C.J MAHANEY é presidente dos Sovereign Grace Ministries (Ministério Graça Soberana), organização de apoio à implantação de igrejas, com mais de 50 igrejas em diversos países. Preletor requisitado, Mahaley ministra a milhares de pessoas todo ano em conferências ao redor do mundo.

Assista um testemunho por Mahaney

Relacionado: Regeneração



7 de maio de 2009

4 anos: Muito Rápido


MUITO
tempo
que passou
RÁPIDO.

Um abraço a todos os colegas do Tribunal.
Fé em Deus pé na tábua!

5 de maio de 2009

Enchendo a Sua Mente


Dallas Willard, Professor de Filosofia na Universidade do Sul da Califórnia escreveu:

A memorização de passagens bíblicas é absolutamente fundamental para a formação espiritual. Seu eu precisasse -- e é claro que não preciso -- escolher apenas uma dentre todas as disciplinas da formação espiritual, escolheria a memorização de passagens bíblicas. Não seria pastor de uma igreja que não tivesse um programa de memorização de passagens da Bíblia, pois é um modo fundamental de enchermos nossa mente com aquilo de que ela precisa. "Não deixe de falar as palavras deste Livro da Lei e de meditar nelas de dia e de noite" (Js. 1:8) Precisamos da Palavra de Deus em nossa boca. Mas como ela chega lá? Pela memorização. Procuro mostrar às pessoas que elas se poupariam de uma série de apuros se estivessem repetindo a Palavra. Repetir a Palavra. Meditar sobre as Escrituras dia e noite. O que isso significa? Significa mantê-las -- e, portanto, a Deus -- em sua mente o tempo todo. Alguém pode imaginar alguma coisa melhor para manter diante da mente? Não! "Se vocês obedecerem fielmente ao Senhor, o seu Deus, e seguirem cuidadosamente todos os seus mandamentos [...] Todas estas bênçãos virão sobre vocês e os acompanharão" (Dt. 28:1-2).





+ Nossa principal atividade diária
+ A formação espiritual em Cristo é para a vida toda e para a pessoa toda