29 de junho de 2009

O Debate em Torno da Justificação


O Debate em torno da Justificação:

Por dois dos mais proeminentes pastores-teólogos do mundo: a justificação e que diferença ela faz.

John Piper e N.T. Wright, compilado por Trevín Wax

Desde a matéria da revista Christianity Today, em agosto de 2007, "O que é queo Paulo realmente quis dizer?" Piper e Wright levaram o debate sobre a justificação da academia para as massas. Aqui é onde os dois evangélicos divergem.


John Piper: Pastor da Igreja Batista Bethlehem em Minneapolis. Autor de "O Futuro da Justificação: Uma Resposta ao NT Wright".

N.T. Wright: bispo de Durham, da Igreja da Inglaterra. Autor de "Justificação: o plano de Deus e a Visão de Paulo."

O Problema

Piper: Deus criou um mundo bom que foi submetido a futilidade devido à escolha pecaminosa e pérfida dos primeiros seres humanos. Devido a esta ofensa contra a glória de Deus, os seres humanos estão alienados de seu Criador e merecem apenas a sua condenação por seus pecados.

Wright: Deus criou um mundo bom, concebido para ser analisado e depois trazidos para a sua finalidade através de sua imagem, por meio dos seres humanos. Este objetivo foi contrariado pela escolha pecaminosa dos primeiros seres humanos. Devido ao pecado humano, o mundo tem de ser endireitado novamente e sua finalidade original levada até a conclusão. A finalidade de Deus ao "endireitar" os seres humanos é que através deles, o mundo possa ser endireitado.

A Lei

Piper: Deus revelou-se através da lei, que apontou a Cristo como seu objetivo e alvo, comandou a obediência que provém da fé, aumentou a transgressão, e calou a boca de todos os seres humanos porque ninguém tem realizado a justiça da lei de modo a não necessitar de um substituto.

Wright: Deus fez uma aliança com Abraão, a fim de pôr em marcha o seu plano para salvar o seu mundo através da família de Abraão. Deus deu ao seu povo a Torá, sua santa lei, como um pedagogo -- uma forma de evitar que Israel, o caprichoso povo de Deus, desviasse totalmente fora de pista até a vinda do Messias. Israel deveria incorporar a Lei e, portanto, ser uma luz para as nações. Mas Israel falhou nessa tarefa.

Justiça de Deus

Piper: A essência da justiça de Deus é a sua inabalável fidelidade para defender a glória do seu nome em tudo que ele faz. Nenhuma ação singular, como a manutenção da aliança, é a justiça de Deus. Pois todos os seus atos são feitos em justiça. A essência do retidão humana é a inabalável fidelidade para defender a glória de Deus em tudo o que fazemos. O problema é que todos nós estamos aquém deste glória, isto é, não existe ninguém justo.

Wright: A justiça de Deus refere-se à própria fidelidade à aliança que fez com Abraão. Israel foi infiel a esta comissão. O que é agora necessário, se o pecado mundial dever ser tratado em uma família de nível mundial criada por Abraão, é um fiel israelita que pode ser fiel ao pacto de Israel.

Judaísmo do Primeiro Século

Piper: Muitos judeus nos dias de Jesus (como os fariseus descritos no Evangelho) não viam a necessidade de um substituto, a fim de estar bem com Deus, mas procuraram estabelecer a sua própria justiça através das "obras da lei." Quer manter sábado ou não cometer adultério, estas obras se tornaram a base de uma posição correta com Deus. A inclinação para confiar em um cerimonial próprio e em atos morais é universal, à parte da graça divina.

Wright: Os judeus dos dias de Jesus acreditavam que a Lei fora dada a eles como pessoas que já estavam em comunhão com Deus. Portanto, a lei não era encarado como uma forma de ganhar o favor Deus, mas como um sinal de que já estava em um pacto com Deus. As "obras da lei" não são maneiras de ganhar favor com Deus, mas emblemas de identidade da aliança pelos quais se determina quem está no pacto e quem não está. Muitos judeus nos dias de Paulo estavam agarrados a esses marcadores de identidade (sábado, circuncisão) de uma forma que fizeram a sua identidade judaica exclusiva. Por conseguinte, o seu exclusivismo estava impedindo a promessa de Deus de fluir para as nações.

O Evangelho

Piper: O coração do evangelho é a boa notícia de que Cristo morreu por nossos pecados e foi levantado dentre os mortos. O que torna boa esta notícia é que a morte de Cristo realizou uma justiça perfeita diante de Deus e sofreu uma condenação perfeita de Deus, ambas as quais são contabilizadas como nossas através da fé somente, de modo que temos vida eterna com Deus no novo céu e na nova terra .

Wright: O evangelho é o anúncio de que o real crucificado e ressuscitado Jesus, que morreu por nossos pecados e subiu novamente de acordo com as Escrituras, foi entronizado como o verdadeiro Senhor do mundo. Quando este evangelho é pregado, Deus chama as pessoas para a salvação, por pura graça, conduzindo-os ao arrependimento e fé em Jesus Cristo como o Senhor ressuscitado.

Como isso acontece

Piper: Pela fé somos unidos a Cristo Jesus, de modo que, em união com ele, a sua perfeita justiça e punição, são contadas como nossas (imputada a nós). Desta forma, perfeição é fornecida, o pecado é perdoado, ira é removida, e Deus é totalmente por nós. Assim, por si só Cristo é a base da nossa justificação, e fé que nos une a ele é o meio ou instrumento da nossa justificação. A confiança em Cristo como Salvador, Senhor, e Supremo Tesouro da nossa vida produz os frutos do amor, ou tal confiança está morta.

Wright: o próprio Deus, na pessoa de Jesus Cristo (o fiel israelita), chegou, permitindo a continuação do seu plano para salvar os seres humanos, e, através deles, o mundo. O Messias representa o seu povo, permanecendo para eles, tendo sobre si a morte que merecia. Deus justifica (declara justos) todos aqueles que estão "em Cristo", para que a vindicação de Jesus após a sua ressurreição torne-se a reivindicação de todos aqueles que confiam nele. Justificação refere-se a declaração de Deus de quem está no pacto (esta família de Abraão de âmbito mundial a quem Deus através da qual os propósitos de Deus podem agora ser extendidos a todo o mundo) e é feita com base na fé em Jesus Cristo somented, não nas "obras da lei "(isto é, emblemas de identidade étnica que uma vez mantiveram judeus e gentios separados).

Justificação Futura

Piper: A justificação presente baseia-se na obra substitutiva de Cristo somente, desfrutada em união com ele por meio da fé somente. Futura justificação é a confirmação aberta e declaração de que em Cristo Jesus somos perfeitamente inocentes diante de Deus. Este julgamento final concorda com as nossas obras. Isto é, o fruto do Espírito Santo em nossas vidas será apresentados como os elementos de prova e confirmação da verdadeira fé e união com Cristo. Sem essa validação de transformação, não haverá salvação futura.

Wright: A justificação presente é o anúncio emitido com base na fé e confiança somente de quem faz parte da família da aliança de Deus. A presente sentença dá a garantia de que o veredito a ser anunciado no Último Dia se combinarão; o Espírito Santo dá o poder através do qual o futuro veredicto, quando dado, será visto como estando em conformidade com a vida que o crente tem então vivido.

Copyright © 2009 Christianity Today.
(tradução livre)





Charles Wesley (1707-1788)

Charles Wesley (1707-1788) foi um líder do movimento metodista e o irmão mais novo de John Wesley. Ele fundou Capela Wesley e também é lembrado por milhares de hinos que escreveu. Embora criado em um lar cristão fervoroso, não o foi até muitos anos depois que Wesley sinceramente deu sua vida a Jesus. Wesley bateu um ponto baixo na vida após a experimentar uma falha viagem missionária à Geórgia, bem como contrair uma doença denominada pleurisy. Em meio a essas experiências, ele finalmente encontrou verdadeira esperança e paz em Jesus. Ele se tornou apaixonado por compartilhar o amor de Cristo e começou a compor muitos hinos. O pequeno vídeo abaixo narra sua história.
***
Charles Wesley (1707-1788) was a leader of the Methodist movement and the younger brother of John Wesley. He founded Wesley Chapel and is also remembered for the thousands of hymns he wrote. Though raised in a fervent Christian home, it wasn’t until many years later that Wesley sincerely gave his life to Jesus. Wesley hit a low point in life after experiencing a failed missionary trip to Georgia, as well as contracting a disease called pleurisy. In the midst of these experiences, he finally found true hope and peace in Jesus. He became passionate to share the love of Christ and began penning his many hymns. The short video below tells his story.



Fonte: Mars Hill

24 de junho de 2009

Afinal, Por Que a Cruz?

(...) ensinamos o modo como [Jesus] foi executado, por nossa causa, como criminoso comum entre outros criminosos. Não precisamos compreender exatamente como isso funciona. Qualquer um que pensa compreender plenamente aquilo que a teologia denomina expiação sem dúvida nenhuma terá algumas surpresas pelo caminho. Em nenhum outro tópico a arrogância teológica se revela tão comumente quanto neste. Mas esse fato é algo que precisamos sempre contemplar em nossa mente. Essa é a boa razão para usar ou exibir uma cruz. Apesar de todas as associações falsas e desencaminhadoras que a cercam, ela ainda anuncia (mesmo sem o conhecimento daquele que a exibe): "Fui comprado pelos sofrimentos e pela morte de Jesus, e pertenço a Deus. A conspiração divina da qual faço parte paira sobre a história humana na forma de uma cruz".


Todo discípulo deve trazer gravada indelevelmente na alma a realidade dessa pessoa maravilhosa que andou no meio de nós e sofreu morte cruel para possibilitar que cada um de nós tenha vida em Deus. Essa realidade jamais deve ultrapassar as margens da nos
sa consciência. "Deus", disse Paulo, "prova o seu próprio amor para conosco, pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores" (Rm 5:8).


Aqui reside a exclusividade da revelação cristã de Deus. Ninguém pode ter uma visão adequada do coração e dos desígnios do Deus do universo se não entende que ele permitiu que seu filho morresse na cruz para assim atingir todas as pessoas, mesmos aqueles que o odiavam. Esse é o nosso Deus. Mas não se trata aqui apenas de uma "resposta certa" a uma pergunta teológica. É Deus quem me olha lá da cruz, com compaixão e disposição de fazer que nada me falte, sempre pronto a tomar a minha mão e me levar, onde quer que eu esteja no caminho da vida.


Dallas Willard, A Conspiração Divina, p. 366



23 de junho de 2009

Marcado

Marked – Jake Hamilton

marked

Song: Marked
Artist: Jake Hamilton
Album: Marked by Heaven
Ouça: http://www.myspace.com/jakehamiltonmusic

Chords:
.

Lyrics:
.
.


Verse 1:

I can hear the deep, deep, deep love of Jesus calling out my name
Now I’ll never be the same

Chorus:

I’ve been marked by heaven forever and ever
I’ve been marked by heaven forever and ever
I’ve been marked by heaven forever and ever

I’ve been marked by heaven forever

Verse 2:

I can feel the deep, deep, deep blood of Jesus wash away my sin
So I can look like Him

Bridge:

I’m caught up in the glory now
And I never plan on coming down

I’m moving glory to glory; I’m never looking back

Tag:

I was made for glory, I was made for glory

(You were made for glory)

Fonte:

http://soarworship.wordpress.com/2009/06/17/marked-jake-hamilton/

Mais: http://www.youtube.com/watch?v=mQzuJb1X4oE

17 de junho de 2009

15 de junho de 2009

N. T. Wright: Evangelho

"Quando Paulo usa a palavra “evangelho”, este é o núcleo daquilo a que ele está se referindo: o anúncio de que Jesus, o judeu de Nazaré crucificado, foi ressuscitado dentre os mortos pelo Deus criador e foi exaltado como Senhor do mundo, exigindo lealdade de todos igualmente, judeus e gentios, grandes e pequenos, de César no seu trono até o filho mais pobre do escravo mais humilde no canto mais distante do mundo.

Para Paulo, o que ele quer dizer com “evangelho” não é, a despeito do nosso uso atual, a descrição de um modo de salvação; não é uma descrição de como reordenar sua espiritualidade privada; não é uma ordo salutis. O “evangelho” não é, em especial, idêntico à doutrina da justificação. O “evangelho” não é em si mesmo a mesma coisa que a revelação da justiça de Deus; tal revelação tem lugar dentro do evangelho, de modo que quando o evangelho é anunciado a justiça de Deus é, de fato, manifestada; mas o “evangelho” em si mesmo se refere à proclamação de que Jesus, o Messias crucificado e ressuscitado, é o verdadeiro e único Senhor do mundo. "

Fonte: Paulo em Diferentes Perspectivas

11 de junho de 2009

N. T. Wright em Português

Primeiro, é parte de uma teologia saudável da vida cristã que nós rejeitamos o triunfalismo, particularmente a idéia de que qualquer ramo, tradição ou segmento da igreja cristã tenha conseguido toda a verdade que alguém precise. Isto poderia parecer simplesmente um impulso protestante, mas é encontrado da mesma forma na maioria dos melhores teólogos católicos e ortodoxos. E isto requer que nós todos herdemos nossas tradições como críticos internos; como vivendo fielmente e lealmente dentro de nossas tradições cristãs, e ainda assim sabendo que nós mesmos fomos chamados, precisamente como parte desta lealdade fiel, para estarmos constantemente alerta para caminhos nos quais a tradição distorceu a escritura ou o evangelho, ou tenha perdido alguma coisa que seja vital para sua vida saudável contínua. Freqüentemente, este papel de ser crítico interno é reduzido simplesmente ao emotivismo: eu não gosto disto, vocês não estão confortáveis com aquilo. Mas isto não nos leva a lugar algum. O que é necessário, vez após vez, é pensamento: discussão e insight cuidadosos, sábios e razoáveis que criticarão o que está errado e trabalhar o caminho adiante apropriado. O que é requerido, em resumo, é que as pessoas amem a Deus com suas mentes, assim como com seus corações, e trazer aquele amor para marcar a vida do povo de Deus. Esta, na verdade, foi uma das principais idéias do Iluminismo: que a Razão devia ser usada, não como uma arma contra a fé, mas como uma arma contra o tradicionalismo não pensante e batalhas não pensantes dentro de tradições. Racionalmente expor as coisas é uma maneira de mover sem manipular: é parte do amor ao próximo como a si mesmo, ao invés de ou forçar o próximo a concordar por pressão física ou emocional ou desistir e permanecer contente com um segundo melhor por medo de uma explosão.



Paulo e César: uma Nova Leitura de Romanos (120KB PDF)
Romanos e a Teologia de Paulo (212KB PDF)
Decodificando O Código Da Vinci (75KB PDF)
Paulo em Diferentes Perspectivas (110KB PDF)
Paulo, Líder de uma Revolução Judaica (12KB PDF)
Integridade e Integração: Amando a Deus com Coração, Mente, Alma e Força (62KB PDF)
O Braço Nu de Deus (23KB PDF)
As Origens Cristãs e a Ressurreição de Jesus: A Ressurreição de Jesus como um Problema Histórico (88KB PDF)

5 de junho de 2009

Restaurando a adoração bíblica

por N. T. Wright

Adoração celebra os feitos poderosos de Deus e colabora com o próximo estágio do propósito redentor.


Introdução. A cena de Apocalipse, capítulos 4 e 5 é espetacular. João, ao ter a visão, é convocado a tornar-se um espectador da corte celestial, assistindo toda a criação derramar seu incessante louvor diante de seu Criador. Apocalipse 4 e 5 não é uma visão de um futuro distante - as pessoas às vezes pensam “ é assim que vai ser quando chegarmos no céu”. A visão do futuro em Apocalipse está nos capítulos 21 e 22. Esta é a dimensão celestial da realidade presente.


Entrelaçando as esferas da Criação. Aparentemente “suba para o céu” e “me vi tomado pelo Espírito,” nos primeiros dois versículos do capítulo 4, são expressões funcionalmente equivalentes: céu e terra são esferas entrelaçadas de uma única criação de Deus. Quando João está no Espírito, ele está conectado à dimensão celestial daquilo que chamamos de vida normal. Esta cena revelada a ele começa com a descrição da sala do trono celestial, assim como aquela em Ezequiel 1. A pessoa de Deus não é descrita - o que é significativo - mas o senso da Sua presença e majestade permeia toda a passagem. Não nos surpreendemos quando a primeira coisa que acontece é adoração – apesar de ficarmos surpresos em ver que os primeiros adoradores são animais e não humanos. Os quatro seres viventes – o leão, o boi, aquele com uma face humana e a águia - têm seis asas como o serafim em Isaías 6 e louvam a Deus incessantemente com o Triságio: “Santo, Santo, Santo é o Senhor, o Deus todo-poderoso que era, que é e que há de vir”. Neste contexto de louvor de toda a criação, 24 anciãos - representando o povo de Deus da Velha e da Nova Aliança – prostram-se e declaram que Deus é digno de toda aquela adoração porque Ele é o poderoso Criador de todas as coisas. Em inglês, a palavra adoração – worship - é etimologicamente relacionada à palavra digno - worthy. Adoração significa reconhecer o valor, a majestade, a dignidade daquele que é adorado – Aquele que está assentado no trono. Adorar é reconhecer, com alegria e celebração, que Deus é Aquele que é e faz o que faz.


Verdades que emergem da adoração. De saída, dois pontos fundamentais emergem desta passagem. Primeiro, adoração bíblica está fundamentada no fato de que Deus é o Criador de tudo. Qualquer tentativa de escorregar para um dualismo, no qual a criação é secundária ou completamente má, está excluída. Segundo, a tarefa dos seres humanos é oferecer uma expressão inteligente da adoração que resto da criação está oferecendo. Céus e terra estão cheios da glória de Deus, mas nós, seres humanos criados à imagem de Deus, somos chamados a reconhecer que isto é adoração e colocar isso em palavras e expressões conscientes de louvor. É isto que você faz toda vez que diz “santificado seja o Teu Nome” ou “glória seja ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo”. Tudo isto é uma reprise de Gênesis 1: “Deus viu tudo quanto havia feito e disse que era bom”. Depois de criar o homem, Deus disse que era “muito bom”. O ser humano - homem e mulher, feitos à imagem de Deus – foi designado para ser o clímax de toda a Criação.


O homem no projeto da Criação. Gênesis 1 era o início de um projeto, não um quadro fixo, ou um projeto falho. Em Apocalipse 5, nós vemos que Deus está segurando um pergaminho, um pergaminho que contém - pelo que entendemos - o propósito soberano de Deus para o mundo. Mas o pergaminho precisa ser aberto por alguém e João chora porque ninguém pode fazê-lo. Mais especificamente, a tarefa requer um ser humano, mas ninguém está qualificado. Então vemos o Leão - que também é o Cordeiro, o Messias, a Raiz de Davi que venceu, porque Ele é também o Cordeiro que foi sacrificado – que envia os Sete Espíritos de Deus para o mundo. Ele é o único que pode levar à frente o projeto de Deus - não apenas para os seres humanos, mas para toda a criação. O resultado é uma nova explosão de louvor. Apocalipse 5 desenvolve o pensamento de Apocalipse 4 e desta vez o cântico da criação toma a forma de um cântico da redenção. Agora há música instrumental, incenso, oração e cânticos. É uma nova canção, a canção da nova criação, trazendo os elementos da criação para celebrar a redenção. A canção abre um novo mundo de possibilidades na adoração, celebrando a morte redentora do Messias e a ressurreição, que transforma seres humanos em reis e sacerdotes que trazem a nova ordem de Deus para o mundo. No final da passagem - ao término da canção - os quatro seres viventes respondem “Amém” e nos vemos de volta ao ponto de onde começamos.


Adoração como progressão e integração. Veja como isto funciona: 1) a criação adora a Deus, o Criador; 2) os humanos articulam aquela adoração de forma consciente; 3) os humanos adoram a Deus pela redenção; e 4) a criação diz “Amém”. Nós vemos aqui a integração entre céu e terra e também da criação e da humanidade em adoração. Vemos também que o propósito de Deus não é salvar o homem do mundo, mas salvar o homem para o mundo. O propósito dele é capacitar seres humanos para serem Seus reis e sacerdotes, trazendo nova ordem e redenção para a Criação. A antiga caricatura do céu, como um lugar chato e sem nada para se fazer - a não ser tocar harpas o dia todo - vem de uma interpretação errônea do Apocalipse. Nesta cena - e depois de forma mais abrangente no fim do livro - o povo de Deus não é apenas adorador, mas também trabalhador, trazendo a nova criação para a realidade. A adoração é o início desta tarefa, como vamos ver adiante.


Recontando a história. Ao final, a visão não é de seres humanos escapando deste mundo e indo para o céu, mas sim da Nova Jerusalém descendo do céu para a terra. A adoração cristã é definida aqui: adorar é recontar a história do que Deus fez, está fazendo e ainda fará – como nos grandes salmos e canções do Velho Testamento. A adoração celebra os feitos poderosos de Deus e colabora com o próximo estágio do propósito redentor.


N. T. Wright é teólogo da Westminster Abbey, e foi deão da Catedral de Lichfield, na Inglaterra. É um autor prolífico e reconhecido por seu trabalho à respeito da história de Cristo, que inclui um trabalho de 700 páginas entitulado “Jesus e a Vitória de Deus”. Atualmente é o Bispo de Durham, servindo ativamente a igreja moderna na redescoberta do Jesus bíblico. Este artigo foi usado com a permissão de N.T. Wright e do Calvin College – www.calvin.edu


Fonte: Inside Worship Magazine

Vineyard Music Brasil

Tradução: Erika Lucas

2 de junho de 2009

John Piper e N.T. Wright











Na atual (junho) edição da [revista] Christianity Today, eu tenho dois artigos detalhando o atual debate sobre a doutrina da justificação entre John Piper e NT Wright.

O primeiro artigo é um resumo das posições de Wright Piper's. Muitos leigos têm ouvido falar sobre este debate, mas não estão familiarizados com os reais argumentos empregados pelos autores. Eu escrevi os resumos como uma forma de ajudar as pessoas a ver as duas posições "em poucas palavras." Tanto Piper como Wright viram seus respectivos resumos e lfizeram ligeiras revisões para a versão final.


O segundo artigo intitula-se "Não é uma pergunta Acadêmica", e menciona citações de uma variedade de pastores e professores de ambos os lados do debate, indicando a forma como o debate tem influenciado a sua forma de pregar e ensinar. Eu compilei as respostas, e Ted Olsen (editor de gestão CT) elaborou o artigo.

Ambos os artigos e estarão on-line provavelmente dentro das próximas semanas, e eu vou linkar para eles quando eles estiverem disponíveis. Entretanto, eu quero encorajá-lo a pegar uma cópia impressa da edição de junho, a fim de olhar para os dois artigos. (O artigo de capa é sobre o ministério de Tim Keller em Manhattan - e que, por si só, vale o preço da revista).

Fonte: http://trevinwax.com/2009/06/01/piperwright-summaries-in-christianity-today/



N. T. Wright é um estudioso britânico do Novo Testamento que a "Cristianismo Hoje" tem descrito como um dos cinco principais teólogos no mundo de hoje. Depois de três anos como o teólogo cânone da Abadia de Westminster, Wright tornou-se o bispo de Durham, em 2003 - a quarta mais alta posição na classificação de autoridade na Igreja da Inglaterra.

Tom Wright, gastou a sua vida estudado a história em torno do Novo Testamento e do início do cristianismo. Ele escreveu vários livros sobre o amplamente aclamado "Jesus histórico", assim como muitos sobre o Apóstolo Paulo e as epístolas do Novo Testamento.

Wright tem recebido tanto elogios como críticas para o seu trabalho. Anne Rice, a autora da série "Entrevista com um Vampiro", creditou ao trabalho de Wright sobre o Jesus histórico a responsabilidade por trazê-la de volta à sua fé cristã. O reformado teólogo J. I. Packer descreveu Wright como "brilhante" e "um dos melhores presentes de Deus para a nossa Igreja ocidental decadente".

Como bispo de Durham, Wright tem sido um pára-raios na controvérsia entre os conservadores que ofendem-se com suas opiniões políticas e liberais que rejeitam seus tradicionais pontos de vista sobre homosexualidade.

Como um estudioso do Novo Testamento, Wright tem enfrentado críticas de ambos os lados do corredor teológico. Acadêmcios liberais, tais como aqueles que compõem o infame "Seminário Jesus" rebaixam o trabalho de Wright sobre o Jesus histórico como demasiado conservador e tradicional. Estudiosos conservador apreciam sua forte defesa das doutrinas cardeais do Cristianismo, como a ressurreição corporal de Cristo.

Mas muitos conservadores da persuasão Reformada estão perplexos com a opinião de Wright sobre a doutrina da justificação e da imputação da justiça de Cristo. Vários teólogos bem conhecidos, tais como D.A. Carson, Mark Seifrid, Guy Waters, e agora o pastor John Piper, têm escrito extensivamente para refutar as "Novas Perspectiva sobre Paulo", que Wright defende.

Em nossa entrevista com N.T. Wright, vamos fazer perguntas que vão ajudar a iluminar os debates atuais com os círculos Reformados sobre a legitimidade da exegese de Wright sobre os textos do Novo Testamento:

Continue lendo (em inglês)