14 de março de 2011

Quaresma

O cristianismo não se resume a um grupo de idéias; trata-se de um modo de vida. Parte dessa vida é estruturada esplendidamente em um esquema de vida anual, no qual se escolhem vários aspectos da fé cristã para serem lembrados no decorrer do ano. As duas festas mais conhecidas fora do meio cristão são o Natal e a Páscoa. Elas celebram o nascimento e a ressurreição de Jesus.

É preciso observar a existência de enormes variações no mundo cristão com respeito às celebrações da fé cristã. Em geral, cristãos evangélicos e carismáticos são propensos a dar pouca importância a essas festas, ao passo que os católicos e cristãos ortodoxos tendem a dar muito mais ênfase a elas. Na verdade, a importância atribuída pelos cristãos a celebrações como o Advento e a Quaresma já serve de indicação do tipo de cristianismo adotado pelo grupo.

A Quaresma começa com a Quarta-feira de Cinzas, na sétima semana antes da Páscoa. A expressão "Quarta-feira de Cinzas" requer explicações. O Antigo Testamento às vezes se refere ao colocar cinzas na cabeça ou roupa da pessoa para representar arrependimento ou contrição (e.g., Ester 4.1; Jeremias 6.26). A Quaresma é entendida como tempo de arrependimento; a utilização de cinzas era, então, vista como sinal exterior apropriado de uma atitude interior de contrição ou arrependimento. Em tempos passados da história da Igreja, principalmente durante a Idade Média, o primeiro dia da Quaresma era, então, marcado colocando-se cinzas sobre a cabeça do clérigo e do povo. 

Em anos mais recentes, as cinzas passaram a ser produzidas queimando-se cruzes feitas de palmeira distribuídas no Domingo de Ramos da Quaresma anterior. O tema do arrependimento também é representado em algumas igrejas nesse período no uso da cor roxa nas vestes litúrgicas.
A Quaresma é geralmente considerada tempo de preparação para a Páscoa e no passado esta muito ligada ao período de jejum. A idéia da Quaresma está baseada nos 40 dias de Jesus no deserto antes do início de seu ministério público na Galiléia. Assim como Jesus jejuou 40 dias, seus seguidores eram incentivados a fazer o mesmo. Portanto, estimulou-se a observância de 40 dias de jejum antes da Páscoa. Isso parece ter iniciado no século IV. Antes disso, recomendava-se um período mais breve de jejum (dois ou três dias). O caráter exato do "jejum" variava de um lugar para outro e de uma época para outra. Em geral, a Igreja ocidental entendeu "jejum" principalmente em termos de redução na alimentação e de comer peixe, não carne. Geralmente, enfatiza-se a leitura devocional ou a participação em atividades da igreja, em vez do jejum.

Alister E. McGrath, Uma Introdução à Espiritualidade Cristã, Ed. Vida, p. 221-224

Celebração do Primeiro Domingo da Quaresma,
Holy Trinity Church / www.myholytrinitychurch.com

Bispo Todd Hunter - First Sunday of Lent