19 de maio de 2011

O que Stephen Hawking não entende sobre o Céu

Stephen Hawking

No 
Washington PostNT Wright respondeu os recentes comentários de Stephen Hawking 
sobre o céu ser um "conto de fadas".
É deprimente ver Stephen Hawking, uma das mentes mais brilhantes no seu campo, tentando falar como um perito em coisas sobre as quais, infelizmente, parece saber muito menos que muitos cristãos medianamente inteligentes. Claro que existem pessoas que pensam em "céu" como uma espécie de sonho de uma vida após a morte para fazer a ideia de morrer menos terrível. Sem dúvida isso é um problema tão antigo quanto a raça humana. Mas o"céu" da Bíblia não é "o lugar onde as pessoas vão quando morrem." Na Bíblia ele é o espaço de Deus enquanto a terra (ou, se quiser, "o cosmos" ou "criação") é o nosso espaço. E a Bíblia torna claro que os dois se sobrepõem e estão interligadas. Para os antigos judeus, o lugar onde isso aconteceu foi no templo, para os cristãos, o lugar onde isso aconteceu foi o próprio Jesus e, em seguida, surpreendentemente, nas pessoas dos cristãos, porque eles também eram "templos" do Espírito do próprio Deus.

Hawking está trabalhando com uma visão de muito baixo grau e sub-bíblica de "ir para o céu." Claro que, se confrontados com a visão de duas fases, totalmente cristã, do que acontece após a morte - em primeiro lugar, um tempo 'com Cristo' no 'céu' ou 'paraíso', e em seguida, quando Deus renovar toda a criação, a ressurreição corporal - - ele, sem dúvida julgaria tão incrível. Mas eu me pergunto se ele sequer parou para olhar de forma adequada, com o seu intelecto de alta octanagem, a evidência de Jesus e da ressurreição? Eu duvido - a maioria das pessoas na Inglaterra não parou. Até que ele pondere, a sua opinião sobre tudo isso vale a pena do mesma maneira que a minha em física nuclear, ou seja, não muito.

Quanto à criação ser auto-causada: Gostaria de saber se ele percebe que está simplesmente repetindo uma versão antiga do epicurismo? Ou seja, os deuses estão fora de cogitação, muito longe, do mundo / vida humana etc / tem que ficar sob suas próprias forças. Isto não é uma "conclusão" de seu estudo das provas, mas é simplesmente uma visão de mundo bem conhecida compartilhada pela maioria dos ocidentais pós-iluministas. É a visão de mundo que permite que a democracia secular, a considerar-se um absoluto, apesar de suas falhas numerosas e bastante óbvias agora. O mais deprimente é que Hawking parece não perceber isso e nem sequer parou para pensar que há bastante sofisticadas críticas do epicurismo, antigo e moderna, que ele deveria trabalhar. Não menos a cristã, que também concentra-se em Jesus.

É claro, o velho set-up do debate "ciência e religião" em si foi profundamente influenciado por essa visão de mundo mesmo, e precisa realinhamento. De fato, os cristãos antigos teriam sido chocados ao ver sua visão de mundo rotulado como uma "religião". Era uma filosofia, uma política, uma cultura, uma vocação ... a categoria de "religião" é  parte do problema e não parte da solução.

N.T. WRIGHT | 16 DE MAIO DE 2011 16:15