25 de outubro de 2011

O Evangelho Apostólico de Paulo

Devemos agora resumir este capítulo: o evangelho para o apóstolo Paulo é a história de Jesus, o Messias-Senhor-Filho, que desencadeia a salvação, que traz à conclusão a história de Israel como encontrada nas Escrituras do Antigo Testamento. “Evangelizar” é declarar esta história, e é uma história que salva as pessoas de seus pecados. Essa história é a única história de enquadramento se nós queremos ser apostólicos na maneira como apresentamos o evangelho. Podemos enquadrar o "evangelho" com outras histórias ou categorias, mas há somente uma história santa e apostólica, e é a história de Israel. Essa é a história de enquadramento apostólica para o evangelho.

Esta história começa no momento da criação e, finalmente, só se completa na consumação, quando Deus for tudo em todos. Este é o evangelho de Paulo, e ao mesmo tempo que inclui e abrange o plano de salvação e deixa em aberto como se pode construir um método de persuasão, o evangelho de Paulo não pode ser limitado ou equiparado com o Plano de Salvação. As quatro linhas do evangelho de Paulo são sobre a história de Jesus. Toda vez que Paulo menciona "evangelho" em suas cartas (e ele faz isso cerca de setenta e cinco vezes), ele está se referindo a este evangelho de quatro linhas. E muitas vezes Paulo usa "taquigrafia", simplesmente dizendo "evangelho" ou "meu evangelho" ou "o evangelho da salvação" ou mesmo "Cristo crucificado". Mas ele sempre quer se referir a este evangelho - o evangelho da História plena e salvadora de Jesus resolvendo a história de Israel, o que encontramos em taquigrafia em 1 Coríntios 15 e que, então, é totalmente exposta nos próprios evangelhos (mais sobre isso mais tarde) .

Isto leva a uma advertência, e é esta que inspira muito deste livro: o plano de salvação pode ser pregado à parte da história, e que tem sido feito por quinhentos anos e por dois mil anos. Quando o plano fica separada da história, o plano quase sempre se torna abstrato, proposicional, lógico, racional e filosófico e, o mais importante, de-historificado e não bíblico. Quando separamos o plano de salvação da história, nós nos desligamos da história que nos identifica e diz o nosso passado e diz o nosso futuro. Separamo-nos de Jesus e transformamos a Fé Cristã em um Sistema de Salvação.

Há mais. Somos tentados a transformar a história do que Deus está fazendo neste mundo através Israel e de Jesus Cristo em uma história sobre mim e a minha salvação pessoal. Em outras palavras, o plano tem um jeito de cortar a história de uma história acerca de Deus e do Messias de Deus e o povo de Deus para uma história sobre Deus e uma pessoa - eu - e nesta a história muda de “Cristo e a comunidade” para o individualismo. Precisamos do último sem cortar o primeiro.

Cortar o plano da história leva a uma cultura de salvação que é totalmente moldada por "quem é salvo e quem não é salvo." Tal cultura é importante, e eu acredito na salvação em Cristo. Mas, essa cultura é concebida por Deus para ser uma sub-cultura e não a cultura dominante. A cultura dominante é a cultura do evangelho. E uma cultura do evangelho é aquela moldada pela História de Israel e pela história de Jesus Cristo, uma história que conta toda a história de Jesus e não apenas uma história da Sexta-Feira Santa, e uma história que não diz apenas sobre uma salvação pessoal, mas de Deus sendo "tudo em todos". Conta a história de que Jesus, não qualquer governante humano, é o Senhor de tudo.

The King Jesus Gospel: The Original Good News Revisited - Scot McKnight, Zondervan, capítulo 4.


O evangelho é a declaração de que Jesus é o Messias e Senhor e esse evangelho declara que a história de Jesus completa a história de Israel de uma maneira que salva. Este evangelho contraria o evangelismo raso e superficial de hoje, que reduz o evangelho a quatro pontos simples e elimina a confissão de que Jesus é o Messias e Senhor.


Leia o prefácios de N.T. Wright & Dallas Willard, e desfrute de uma amostra do capítulo 1: thekingjesusgospel.com




------


We must now num up this chapter: the gospel for the apostle Paul is the salvation-unleashing Story of Jesus, Messiah-Lord-Son, that brings to completion the Story of Israel as found in the Scriptures of the Old Testament. To "gospel" is to declare this story, and it is a story that saves people from their sins. That story is the only framing story if we want to be apostolic in how we present the gospel. We can frame the "gospel" with other stories or categories, but there is one holy and apostolic story, and it is the Story of Israel. That is the apostolic framing story for the gospel.

This story begins at creation and finally only completes itself in the consummation when God is all in all. This is Paul's gospel, and while it includes and encompasses the Plan of Salvation and leaves open how one might construct a Method of Persuasion, the gospel of Paul cannot be limited to or equated with the Plan of Salvation. The four lines of Paul's gospel are about the Story of Jesus. Every time Paul mentions "gospel" in his letters (and he does so some seventy-five times), he is referring to this four-line gospel. And many times Paul uses "shorthand" by simply saying "gospel" or "my gospel" or "the gospel of salvation" or even "Christ crucified". But he always means this gospel -- the gospel of the full, saving Story of Jesus resolving the Story of Israel, the one we found in shorthand in 1 Corinthian 15 and which then is fully expounded in the Gospels themselves (more on that later).

This leads to a warning, and it is one that animes much of this book: the Plan of Salvation can be preached apart from the story, and it has been done for five hundred years and two thousand years. When the plan gets separated from the story, the plan almost always becomes abstract, propositional, logical, rational, and philosophical and, most importantly, de-storified and unbliblical. When we separated the Plan of Salvation from the story, we cut ourselves off the story that identifies us and tells our past and tells our future. We separate ourselves from Jesus and turn the Christian faith into a System of Salvation.

There's more. We are tempted to turn the story of what God is doing in this world through Israel and Jesus Christ into a story about me and my own personal salvation. In others words, the plan has a way of cutting the story from a story about God and God's Messiah and God's people into a story about God and one person -- me -- and in this the sotry shifts from Christ and community to individualism. We need the latter without cutting off the former.

Cutting the plan from the story leads to a salvation culture that is entirely shaped by "who is saved and who is not saved." That culture is important, and I believe in salvation in Christ. But, that culture is designed by God to be a subculture and not the dominant culture. The dominant culture is the gospel culture. And a gospel culture is one shaped by the Story of Israel and the Story of Jesus Christ, a story that tells the whole Story of Jesus and not just a Good Friday story, and a story that tells not just a personal salvation but of God being "all in all". It tells the story that Jesus, not any human ruler, is the Lord over all.

The King Jesus Gospel: The Original Good News Revisited -- Scot McKnight, Zondervan, chapter 4.

The gospel is the declaration that Jesus is Messiah and Lord and that gospel declares that the Story of Jesus completes the Story of Israel in a way that saves. This gospel counters the shallow and superficial gospeling today that reduces the gospel to four simple points and eliminates the confession that Jesus is Messiah and Lord.


Read the forewords by N.T. Wright & Dallas Willard, and enjoy a sample of Chapter 1:
Forewords
Chapter 1