15 de novembro de 2011

Objeção ao pós-modernismo

Apresentando as coisas de maneira simples, o pós-modernismo refuta a si mesmo. Os pós-modernistas parecem afirmar que suas asserções sobre a era moderna, sobre a maneira pela qual a linguagem e a consciência funcionam e assim por diante são verdadeiras e racionais; eles escrevem textos literários e protestam quando as pessoas interpretam mal a intenção autoral em seus próprios escritos; eles pretendem nos dar a verdadeira essência do que é a linguagem e como ela funciona e empregam a dicotomia entre o modernismo e o pós-modernismo enquanto afirmam a superioridade do último. Por essas e outras razões o pós-modernismo parece ser auto-refutável.

Os pós-modernistas realmente têm uma resposta para esse argumento. Por um lado, eles podem afirmar que os críticos interpretam erradamente o pós-modernismo e derrotam um espantalho. Alguns pós-modernistas, por exemplo, defendem sua rejeição à objetividade da verdade da seguinte maneira: dizer objetivamente que a verdade não está "lá fora", no mundo real, é dizer meramente que onde não há sentenças não há verdade, que as sentenças são elementos da linguagem humana e que as linguagens humanas são construções sociais. Infelizmente, a defesa não é apenas falsa, mas, compreendida de uma certa maneira, ela também deixa de evitar o problema da auto-refutação. A defesa é falsa porque afirma que o portador de verdade adquado é a linguagem. Mas, como vimos anteriormente, um candidato mais apropriado para isso são as proposições. Além do mais, existem numerosas verdades -- tais como as verdades matemáticas -- que nunca foram e nunca poderão ser pronunciadas por meio da linguagem, mas que estão simplesmente "lá fora". A defesa não pode evitar sua auto-invalidação porque se o argumento assume uma noção relativista da verdade, mas se apresenta como uma verdade objetiva no sentido não relativista, então ele refuta a si mesmo. Se o pós-modernista simplesmente quer dizer que as pessoas não são capazes de expressar uma verdade a não ser por meio da linguagem, então sua posição pode ser admitida, mas é irrelevante no debate sobre a adequação do pós-modernismo como ponto de vista filosófico.

Às vezes, os pós-modernistas respondem negando que consideram suas asserções e escritos como verdadeiros, racionais e constituídos por sua própria intenção autoral e assim por diante. Se essas afirmações estão corretas, então deveriam realmente salvar o pós-modernismo da auto-refutação. Mas, a resposta deve ser rejeitada por duas razões. Primeiramente, quando alguém realmente lê com cuidado os escritos pós-modernistas, é bastante difícil evitar evitar uma impressão de que eles de fato apresentam suas asserções como verdadeiras, racionais e assim por diante. Nesse sentido, ao estar na defensiva, um pós-modernista pode negar que seus escritos exibam tais características , mas uma exame de seus escritos parece minar suas negativas. Segundo, os pós-modernistas precisam oferecer alternativas pós-modernistas à verdade, à racionalidade etc., que fizessem sentido em suas próprias afirmações, enquanto evitam aquelas noções indesejadas. Parece que suas alternativas ainda não foram convicentemente apresentadas. Mas suponhamos que surjam. O que faríamos, então, com o pós-modernismo? Uma vez que o pós-modernismo não poderia, no caso, estar oferecendo a si mesmo como verdadeiro, racional ou até mesmo compreensivo de uma determinada maneira. Seria difícil saber e que maneira um pós-modernista poderia recomendar sua visão aos outros ou qual o propósito de proclamá-lo em público.

Tudo isso quer dizer que não existam benefícios a serem obtidos do pós-modernismo? Não, os pós-modernistas estão certos em nos advertir quanto aos perigos de usar a linguagem para obter poder sobre os outros, em recomendar a importância da história e da narrativa, em advertir os excessos históricos do cientificismo e do reducionismo que cresceram a partir do abuso de idéias modernistas. Mas essa dimensão não quer dizer que os cristãos devem adotar uma posição neutra ou até mesmo favorável em relação ao pós-modernismo, rejeitando seus problemas e abraçando seus benefícios (...) 

Além do mais, a maneira de evitar o cientificismo e o reducionismo é argumentar contra eles usando as coisas que os próprios pós-modernistas negam. A única alternativa a tal estratégia é o uso da simples retórica, ou mudar de maneira politicamente correta o poder público de modo a marginalizar o cientificismo e o reducionismo, mas é esse poder a coisa que os pós-modernistas corretamente abominam.


Filosofia e Cosmovisão Cristã - J. P. Moreland & William Lane Craig, Ed. Vida Nova,  2005