7 de novembro de 2007

O mal no mundo e em nós

"O que os indívíduos estão prontos a fazer, o que há dentro deles pronto a irromper, explica parcialmente por que as pessoas fazem as coisas que fazem. Elas estão programadas para fazer o que fazem. Há uma "presença real" do mal pouco abaixo da superfície de toda ação e transação humana. A magnitude do mal nas obras humanas é um resultado também das estruturas institucionais ou práticas comuns que emergem na sociedade: política, artes, negócios, jornalismo, educação, vida intelectual, governo, relações sexuais e familiares, esportes e entretenimento.

Este é o nosso "sistema". Uma mulher que ganha meio milhão de dólares por ano em Wall Street é "mais aceita" por seus colegas se usar cocaína; por isso, ela se submete a essa prática do ambiente que a cerca, quando este manipula seus desejos (Tiago 1.14) . Outra mulher avança em sua carreira como atriz, estando apropriadamente "disponível" para os homens que tomam decisões. Um empreiteiro pode lucrar mais comprando materiais de qualidade inferior e subornando um fiscal "compreensivo". Um trabalhador é excluído do treinamento em técnicas avançadas porque é índio. Um professor é influenciado em sua pós-graduação pela necessidade de ter muitos alunos ou manipula dados para conseguir concessões, escrever livros e conseguir vantagens sobre os colegas. Uma jovem negra não pode conseguir notas boas o bastante para entrar na faculdade porque a escola secundária onde estuda não recebe ajuda do governo. Um pastor compromete sua imagens e pregação cedendo às inclinações dos seus ouvintes "mais importantes", para ter o apoio deles e progredir na sua carreira.

As estruturas socias exibidas em tais casos não estão, estritamente falando, nos indivíduos, mas no mundo onde vivemos, embora sua existência e poder dependam totalmente da prontidão que há em nós individualmente. Os males estruturais são práticas -- explicitamente formuladas ou não -- aceitas e aplicadas por outros no contexto de nossas ações.

No entanto, nenhum desse males teria lugar se os Dez Mandamentos (Êxodo 20) e os grandes princípios de amor a Deus e ao próximo (Mateus 19.37-40) fossem observados. Desnutrição, guerra, opressão, luta de classes, explosão demográfica, crime, violência e conflitos familiares deixariam finalmente de ser lugar-comum, porque os indivíduos não só não cooperariam para o seu crescimento como tornariam medidas contra eles."

Dallas Willard, O Espírito das Disciplinas, pp.256-257, Editorial Habacuc