16 de agosto de 2008

Não deveria terminar assim

Lamento postar este texto. Depois que meu irmão me chamou a atenção para o que estava ocorrendo em Lakeland, fiquei entusiasmado para ver e compartilhar uma ação de Deus neste mundo moribundo. As últimas notícias, no entanto, não são animadoras.

O texto a seguir é de J. Lee Grady, editor da revista Charisma.

A Vida Depois de Lakeland: A Confusão

J. Lee Grady

Tradução de João A. de Souza filho

Ao anunciar que seu casamento chegou ao fim, Todd Bentley jogou o movimento num redemoinho e nos deixou perguntas que precisam ser respondidas.

Não deveria terminar assim.

O evangelista Todd Bentley anunciava aos quatro ventos que o avivamento de Lakeland era o maior derramamento pentecostal desde os tempos da rua Azuza (1906). Do alto da gigantesca plataforma da grande tenda na Flórida, Bentley pregou para milhares de pessoas, convidando-as a se prostrarem em oração. Muitas foram as pessoas que testemunharam curas de surdes, cegueira, problemas cardíacos, depressão e dezenas de outras enfermidades durante os cultos em Lakeland, durante mais de cem noites consecutivas. Bentley anunciou que dezenas de pessoas haviam sido ressuscitadas dentre os mortos durante o avivamento.

Mas, esta semana, poucos dias depois de anunciar o fim de sua participação em Lakeland, este pregador canadense anunciou que seu casamento chegara ao fim. A equipe de Bentley acha que a cessação do movimento não deve ser atribuída aos problemas pessoais de Bentley, mas lançou um release tornando pública a separação de Shonnah e Todd Bentley.

A notícia chocou os fãs do pregador e entristeceu aqueles que questionavam a credibilidade dos cultos desde que o movimento surgiu nos começos de abril. Estou triste. Desapontado. Estou uma fera. Aqui estão minhas muitas perguntas sobre este fiasco:

Porque tanta gente veio de várias partes do mundo para participar de encontros com um evangelista que, desde o início tinha sérios problemas de credibilidade? Em outras palavras, não dá pra crer!

Desde a primeira semana do avivamento de Lakeland muitos cristãos com discernimento levantaram questões sobre as crenças e práticas de Bentley. Sentiram-se incomodados quando ouviram-no afirmar que conversava com um anjo em seu quarto de hotel. Sentiram-se inquietos quando viram o pregador usando uma camiseta com a estampa de um esqueleto e se perguntavam como um homem de Deus podia ter tantas tatuagens pelo corpo. Ficaram horrorizados quando ele testemunhou que deu um soco num homem e arrancou-lhe um dos dentes durante a oração (com imposição de mãos).

Os que participavam das reuniões não sabiam discernir coisa alguma. Apenas aceitavam e engoliam tudo. A mensagem era clara: “Isto é de Deus. Não questione”. Assim, antes de poder dizer “sheeka boomba” (que Bentley sempre orava do púlpito), muitas pessoas voltaram pra suas casas, ou foram deixadas no chão, abandonadas ao estilo Bentley.

Particularmente creio que, em parte, esta falta de discernimento foi por puro zelo a Deus. Temos tanta fome espiritual que corremos atrás de tudo. E, algumas vezes, os famintos tendem a comer qualquer coisa. Muitos de nós apreciamos muito mais uma demonstração barulhenta de milagres, de sinais e maravilhas do que um estudo bíblico em grupo. Contudo, somos confrontados com a triste realidade de que nosso zelo incontrolado é sinal de imaturidade. Nossa paixão adolescente nos leva a querer participar de coisas loucas e estúpidas. Está na hora de começarmos a crescer. Por que ninguém em Lakeland denunciou os comentários favoráveis que Bentley fez sobre Willian Branham?

Este é outro ponto de preocupação. Branham se entregou a terríveis enganos no fim de seu ministério, e suas doutrinas estranhas ainda são aceitas por seus seguidores nos dias de hoje. Por que ninguém corrigiu este engano diretamente do púlpito? Os líderes deveriam proteger o rebanho de heresias, e não alimentar o rebanho com mais heresias. Somente Deus sabe até onde chegou a heresia de Lakeland.

Que Deus nos perdoe por permitirmos que sua palavra fosse tão vilipendiada.

Um evangelista pentecostal famoso me chamou por telefone esta semana depois que a sujeira de Bentley se espalhou pelo ventilador. Ele me disse: “Estou certo de que uma grande parte dos carismáticos seguirá o anticristo quando ele aparecer, porque os carismáticos não têm discernimento”. Que coisa! Felizmente aprendemos a lição e tomaremos as devidas precauções quando o impostor surgir.

Por que a emissora de televisão God TV afirmava que qualquer crítica contra Todd Bentley era de origem demoníaca? Esta declaração foi feita num dos programas de televisão deles. Os apresentadores da emissora chegaram a afirmar que qualquer pessoa que desse ouvidos aos comentários contrários a Bentley perderia sua cura e sua bênção. É o tipo de manifestação cultual da pior espécie.

A Bíblia afirma que os bereanos eram mais nobres porque examinavam as escrituras para se certificarem da verdade (At 17.11). No caso de Lakeland qualquer questionamento intelectual era visto como sinal de fraqueza. As pessoas eram solicitadas a entrar no mover para só então abrir os olhos.

Não é pelo fato de crermos no poder do Espírito Santo que vamos deixar nosso cérebro pendurado na porta da igreja. Somos orientados a testar os espíritos. Jesus quer que o amemos de todo coração. Este escândalo de Lakeland levará muita gente a se sentir traída e muitos, de tão frustrados desistirão de freqüentar uma igreja. Outros poderão sucumbir. Tudo seria evitado se os líderes tivessem a coragem de orientar as pessoas a avaliar suas experiências espirituais à luz da palavra de Deus.

Por que um grupo de respeitados ministros impuseram as mãos sobre Bentley no dia 23 de junho e publicamente o ordenaram ao ministério? (NT: Líderes como Rick Joyner, Peter Wagner e outros declararam seu apoio a Bentley). Esta cerimônia controversa foi organizada por Peter Wagner, que achava que uma das grandes necessidades de Bentley era a de uma cobertura espiritual adequada. Ele pediu ao pastor californiano Che Ahn e a Bill Johnson, e ao canadense John Arnott que impusessem as mãos sobre Bentley e o colocassem sob cobertura (apostólica).

Certamente que Todd Bentley carecia de cobertura, pois ninguém deve viver por conta própria, isolado, sem ser cobrado, sem ter alguém por perto para se aconselhar. Seria bom que Wagner cuidasse de Bentley e que este reconhecesse a necessidade de pais espirituais aos quais deveria se submeter. A questão é que não foi nada recomendável fazer este tipo de cerimônia ao vivo pela TV, que na ocasião mais parecia uma cerimônia de coroação. Na realidade estes líderes deveriam ter levado Bentley para um quartinho e falado com ele ao pé do ouvido sobre sua vida pessoal.

A ordenação de um ministro é coisa séria. Paulo recomendou que não se deve impor as mãos precipitadamente sobre alguém para não se tornar “cúmplice de pecados de outrem” (1 Tm 5.22).

Apressamo-nos no processo, mas o apóstolo adverte-nos contra ordenações rápidas, e afirma que os que comissionam um ministro que ainda não está pronto, serão culpados dos fracassos desse obreiro. Acho que Peter Wagner, Bill Johnson e John Arnott não conheciam os problemas de Bentley antes de consagrá-lo. Creio que devem estar tristes pelos acontecimentos desta semana, e que estão socorrendo o casal (Bentley e a esposa) visando a restauração do matrimônio.

Creio que estes líderes, juntamente com Bentley e os proprietários da God TV (TV de Deus) devem uma explicação ao corpo de Cristo, um pedido público de perdão por haverem consagrado um homem tão prematuramente (E tal pedido de perdão deveria ser transmitido pela emissora de TV).

O que colheremos depois disto tudo? Depende da reação do povo. Se os homens encarregados de supervisionar Bentley o cercarem de amor e de firme correção, e se Bentley se submeter à disciplina deixando o ministério até se recuperar, poderíamos ter um caso saudável de disciplina, como se espera da liderança da igreja.

Se todos os que correram para promover a Bentley se arrependerem de seus erros com a mesma velocidade com que o apoiaram poderíamos ter um alento de esperança e acreditar que o movimento seja reerguido.

Creio que Deus quer visitar nossa nação com poder sobrenatural. Sei que ele quer curar as multidões, e continuarei a orar por um avivamento de cura em todos os Estados Unidos. Mas, temos de buscar o que é genuíno, não a imitação. O verdadeiro avivamento vem acompanhado de quebrantamento, humildade, reverência, de arrependimento e não de arrogância; o verdadeiro avivamento não tem show nem líder de destaque como o de Lakeland. Espero que todos do movimento carismático – os pentecostais – orem por Bentley, por sua esposa Shonnah, seus três filhos e pela equipe ministerial dele. Que o homem seja restaurado.

Fonte: www.charismanews.com

+ Análise de Mário David, em The Requiem C