10 de fevereiro de 2009

REGENERAÇÃO



Compare a pregação de Paul Washer com o ensino de Dallas Willard. E agora, me responda: quando foi que você ouviu uma pregação/ensino sobre justificação/regeneração/santificação? Hein?

"[A conversão]abrange a reconciliação e a regeneração. Grande parte da teologia evangélica de hoje é caracterizada pela perda do conceito de regeneração. Com freqüência, o único elemento enfatizado é a reconciliação ou o perdão -- nos casos em que até isso não foi substituído pela idéia de Cristo "suprir suas necessidades". Por vezes, a doutrina da regeneração é inteiramente assimilada pela doutrina da justificação e ambas passam a ser consideradas exatamente a mesma coisa. Mas isso não é característica da tradição [evangélica] em geral. Se você ler não apenas os autores populares, mas também as teologias clássicas, verá que a regeneração, ou vir a ter um novo tipo de vida ("do alto"), é tão essencial à conversão quanto o perdão. Na verdade, talvez o perdão seja subordinado à regeneração. Você recebe uma nova vida pela graça por meio da fé e, nesse processo, ou à luz dele, seus pecados são, obviamente, perdoados. Você não pode viver em Deus e nem Deus em você sem o perdão e a reconciliação."


Dallas Willard, A Grande Omissão, Mundo Cristão, pp. 150-151

Fonte do vídeo: Voltemos ao Evangelho
Destaco na temática de Paul Washer, no sermão Dez acusações contra a igreja moderna, a Terceira acusação: uma falha ao falar da depravação do homem.

Na opinião de Dallas Willard, na obra supra citada, os três elementos essenciais da piedade evangélica ao longo das eras são: convicção de pecado, conversão a uma vida piedosa de fé e testemunho da obra salvadora de Deus na alma.

Penso que no vídeo acima, Washer renova o segundo ponto. Nesta terceira acusação aponta o abandono da ênfase no primeiro ponto.