17 de junho de 2008

Sete pecados capitais

Graham Tomlin*

Então, por onde começamos a pensar no pecado? Uma forma tradicional é dividi-lo em categorias. Nossos antepassados tremiam diante da idéia, mas eram espertos o suficiente para perceber que precisavam conhecer seu inimigo. Por isso a idéia dos “sete pecados capitais” surgiu como uma forma nítida de nos lembrar de alguns dos principais modos pelos quais esse padrão fatal de comportamento se manifestava. Não se sabe ao certo de onde veio a lista. Alguns dizem que veio de uma lista de oito maus hábitos definidos por Evágrio do Ponto, teólogo e monge grego do século 4. Cerca de 200 anos depois, enquanto escrevia um livro de reflexões sobre o livro de Jó, Gregório, o Grande, papa de grande influência, reduziu a lista a sete itens, e o número prevaleceu. A lista mudou ao longo do tempo, mantendo os mesmos itens e sofrendo uma variação de uma lista para outra na ordem em que eles apareciam, mas prendeu nossa imaginação como uma ferramenta para entendermos a vida moral, ou melhor, a vida imoral.

No apogeu da Idade Média, se tornou um modo padrão para sistematizar o pecado — uma taxonomia útil da má conduta. Talvez o tratamento mais famoso de todos tenha aparecido em A divina comédia, de Dante, em que o autor descreveu sua própria incursão imaginária ao inferno, ao purgatório e ao paraíso como uma jornada de exploração, purificação e redenção desses sete hábitos fatais. Tomás de Aquino propôs uma análise clássica dos sete pecados em seu De Malo [Sobre o pecado], escrito na década de 1270, e usou consideravelmente a lista em sua grande Summa Teológica.

No entanto, uma rápida olhada na lista tradicional dos sete pecados capitais levanta uma questão clara para qualquer pessoa que tenha qualquer noção da vida contemporânea e dos princípios morais: esses não são os pecados que identificaríamos como as principais causas do mal em nosso mundo. Em todo caso, nossa cultura, em geral, admira essas qualidades, e não as evita. A luxúria é sinal de um apetite sexual saudável, a soberba é um prazer perfeitamente válido em nossas próprias realizações, e a avareza é o motor essencial para a economia. O filósofo Julian Baggini sugere que abandonemos a velha lista e propõe uma nova. Sua lista inclui exploração, dogmatismo, moralismo, cobiça (pelo menos, um dos velhos candidatos tem um lugar à mesa!), vaidade, complacência e negligência. São esses pecados que estão na essência de nossa experiência atual com o mal. São os culpados e responsáveis pela pobreza, doença, discriminação e injustiça.

Contudo, como veremos nesta jornada pela maldade humana, a lista tradicional inclui, explica e analisa esses itens mais a fundo. Vaidade e hipocrisia são sintomas de soberba, a exaltação do “eu” a uma posição incontestada e ilusória de superioridade. Complacência e negligência resultam da indisposição mais intensa da preguiça, uma perda de paixão pela vida, pela bondade e por Deus. Exploração dos outros é quase sempre o resultado incontrolável da luxúria, avareza ou gula, ou de um apetite desenfreado por sexo, dinheiro ou comida, à custa de pessoas de carne e osso. Ao mesmo tempo, a aversão de Baggini ao dogmatismo e à “idéia de o indivíduo se considerar certo enquanto os outros estão errados” é muito problemática. Ele acha que ele está certo em propor essa lista? Ele é sério quando faz declarações que têm, de fato, algum sentido? Sem dúvida, o tipo de dogmatismo que se nega a pensar, a considerar que poderia estar errado ou a participar de uma discussão ou debate é arriscado e prejudicial. Mas isso não significa que não possamos defender opiniões que sinceramente acreditamos estarem corretas e optar por viver nossa vida de acordo com elas. A fé sempre tem um elemento de dúvida agregado a ela. Acreditar em algo que não podemos provar (e a maioria das crenças sobre a existência ou a não-existência de Deus, o sentido da vida e assim por diante vai além de uma prova existente) inevitavelmente envolve cogitar a possibilidade de que talvez estejamos errados. Sem essa possibilidade, isso seria certeza, e não fé. Mas a verdadeira fé consiste em crermos na veracidade de certas coisas que não podemos provar e optarmos por viver nossa vida de acordo com elas. Ela está muito longe do dogmatismo que tanto tememos.

O problema com as listas contemporâneas é que elas, em geral, descrevem os sintomas, não a causa. Descrevem práticas sociais ou relacionais de que não gostamos (como exploração, hipocrisia e negligência) sem se aprofundarem muito para explicar por que agimos de várias maneiras. Como veremos, a reflexão cristã sobre os maus hábitos humanos vai além ao descrever o tipo de pessoa que faz essas coisas e as raízes de tal comportamento.

Tais tentativas de aperfeiçoar os sete pecados tradicionais muitas vezes expõem, de certo modo, a superficialidade dos instintos morais contemporâneos, mas isso não é de surpreender. Essas listas são o resultado de uma mentalidade de alguns anos. A lista tradicional foi considerada e examinada por aproximadamente quinze séculos, por isso acho que ela tem um pouco de vantagem. Talvez seja prudente darmos a ela nossa atenção antes de a rejeitarmos de imediato, como o menino que encontrou um Rembrandt no sótão e o jogou fora porque não era colorido o suficiente.


* Graham Tomlin é diretor do St Paul's Theological Centre, em Holy Trinity Brompton, Londres. Foi vice-diretor de Wycliffe Hall, Oxford, e membro da Faculdade de Teologia da Universidade de Oxford.

Excerto do 1º capítulo do livro Os sete pecados capitais.