23 de abril de 2008

Sigilo, Suspeita e Terror

Um comercial da Anistia Internacional, que será exibido a partir de 9 de maio nos cinemas ingleses, pretende chocar os espectadores mostrando a tecnica de tortura conhecida como waterboarding, diz o Na Periferia do Imperio. Consiste em simular um afogamento e é utilizada pelos EUA em interrogatorios de prisioneiros.

Batizado 'Stuff of Life' (Coisas da vida), o filme é parte da campanha do grupo pelo respeito aos direitos humanos na chamada 'guerra contra o terrorismo'. A diretora da Anistia Internacional na Inglaterra, Kate Allen, citada pela BBC, diz que "o filme mostra o que a CIA nao quer que você veja - a realidade repugnante de quase afogar uma pessoa e chamar isso de 'interrogatório aprimorado'...".



Já que o assunto é "Anistia" e cinema, ao ler essa notícia lembrei-me do ótimo filme que assisti (locadora) no último final-de-semana: O Suspeito. Sinopse:

O Suspeito (Rendition, Estados Unidos/África do Sul, 2007. Desde sexta-feira em cartaz no país) – Com base em evidências não mais do que circunstanciais, um engenheiro químico de origem árabe (Omar Metwally), criado nos Estados Unidos, é detido num aeroporto americano sob suspeita de ligação com o terrorismo. Tudo sugere que se trata do homem errado – mas uma senadora linha-dura (Meryl Streep) decide recorrer à figura jurídica conhecida como "rendição extraordinária" e despachá-lo para o Egito, onde ele poderá ser interrogado por métodos que, em território americano, seriam inconstitucionais (leia-se, por meio de tortura). A mulher do engenheiro (Reese Witherspoon), grávida do segundo filho, procura descobrir o paradeiro do marido, recorrendo a um ex-namorado que trabalha no Senado (Peter Sarsgaard); no Cairo, um analista júnior da CIA (Jake Gyllenhaal) observa com repulsa a tortura ao seqüestrado; e, enquanto isso, a filha do interrogador-chefe (o ótimo Yigal Naor) se apaixona por um extremista. O diretor sul-africano Gavin Hood, cujo Infância Roubada levou o Oscar de produção estrangeira, entrelaça todas essas histórias com habilidade, em ritmo de thriller, até o final. Como ressalva, apenas a sua inclinação, já observada no filme anterior, para pintar os personagens em branco ou em preto, sem meios-tons.

Fontes: Veja/Blue Bus
+
CIA se nega a entregar seus métodos em interrogatórios