7 de março de 2008

A Babel Contemporânea

A propósito do julgamento desta semana no STF sobre pesquisa com células-tronco embrionárias:

Esforços Humanos e Babel

Agora, Babel representa os esforços humanos para conseguirmos pelas capacidades humanas. ... E os seres humanos desejam executar seu mundo e ser responsáveis, e queremos fazê-lo corporativamente, e voltar à velha história em Gênesis 11. O que você vê aqui é que as pessoas com base no conhecimento bastante equivocado que tinham, decidiram, em uma política. Eles construiriam uma torre que iria dar-lhes uma identidade em primeiro lugar. E permitir-lhes conhecer quem eles eram: bem, somos as pessoas com a torre.

Mas essa torre também, eles pensavam, poderia levá-los a um outro domínio. O domínio dos deuses. Eles realmente acreditavam nisso, mas isso representa o esforços do homem para ter sucesso sem Deus. O esforço humano para encontrar o conhecimento de que precisamos, e levá-lo de uma forma que sejamos bem sucedidos deixando Deus fora. Eles não tinham idéia do que estavam fazendo, e isso é naturalmente patético.

A Babel contemporânea

Mas, então, temos de reconhecer que hoje em dia, a Babel de hoje é o sistema de conhecimento secular das universidades e profissões. E que opera na nossa cultura sobre esta ideia que, muitas vezes, manifesta-se em termos de separação da Igreja e do Estado.

É uma idéia muito confusa, e eu não quero tentar analisá-la aqui, mas apenas dizer isso. Que se fosse suposto que a Igreja tivesse conhecimento essencial da vida, sem o qual os seres humanos não pudessem viver bem, ou viver na íntegra, não haveria questão da separação da Igreja e do Estado. A ideia da separação da Igreja do Estado, o que significa separar religião de processos políticos, que toda idéia tem por base a ideia de que a religião não tem nada a dizer sobre a realidade.

E se fosse concebido que, por exemplo, se você pratica um certo tipo de religião, que transformasse substancialmente a situação humana, não haveria qualquer discussão sobre separação da Igreja e do Estado mais do que qualquer discussão existente sobre separar Física do Estado. Tudo bem. Não haveria um debate.